Telefone já

Dúvidas

Pelo menos uma vez por ano, sendo o ideal de seis em seis meses( duas vezes por ano).
Deve iniciar-se a primeira consulta desde a erupção do primeiro dente, para prevenir qualquer aparecimento e desenvolvimento de doença nos dentes ou gengivas, até porque: Prevenir é sempre mais fácil que tratar.
A cada três meses, e para não esquecer:
Nova estação, nova escova na mão
No Outono, no Inverno, na Primavera e no Verão.
Claro que sim. Os dentes decíduos podem ser afectados pela carie tal como os definitivos.
As características próprias dos dentes de leite fazem com que, uma vez iniciada a carie dentária, esta avança mais rapidamente. A cárie é um processo infeccioso que para além de provocar dor, pode afectar a formação dos dentes permanentes bem como a saúde em geral, pelo que deve ser tratada o quanto antes.
A halitose é um sinal de que algo no organismo esta em desequilibro e deve ser identificado e traado. Existem dezenas de causas e em aproximadamente 90% dos casos é de origem oral. Pode ser de origem fisiológica ( hábito matinal, jejum prolongado, dietas inadequadas), razões locais ( má higiene oral, placa bacteriana retida na língua ou amígdalas, baixa produção de saliva, doenças gengivas) ou mesmo razões sistémicas ( diabetes, problemas renais ou hepáticos e outros).
A sensibilidade dentária é a dor de dente(s) causada pelo desgaste de qualquer superfície do dente ou do tecido gengivas.
A causa mais comum da sensibilidade nos adultos é a exposição de raizes dentárias devido à recessão gengival. As raizes não estão protegidas pelo esmalte e, centenas de canaliculos dentinários que comunicam com o nervo do dente( polpa) estão expostos.
Sim. Mesmo que necessite de anestesia. Uma infecção oral é mais prejudicial para o bebé do que o tratamento dentário. O ideal seria fazer consulta de medicina dentária antes da gravidez a fim de evitar infecções orais durante este período. As consultas devem ser de curta duração preferencialmente de manhã, sendo mais indicado o segundo trimestre da gestação.
Quando uma pessoa não goza de saúde oral não está de perfeita saúde;

A manutenção da saúde oral em bom estado ajuda a prolongar a qualidade e a quantidade de vida;

A mais barata forma de tratamento é sempre a PREVENÇÃO e o adiamento do tratamento é aumentar a dificuldade na sua execução;

O correcto alinhamento dos dentes é importante no equilíbrio postural do corpo;

A saúde oral é essencial para a maximizar o desempenho dos atletas;

Uma boca saudável facilita a comunicação e a interacção com os outros. A saúde oral está ao nosso alcance, basta querer.
Em média, a erupção da primeira dentição tem início entre os 6 e os 8 meses de idade, sendo as meninas geralmente mais precoces; entre os 2 anos e meio e os 3 anos de idade os 20 dentes temporários já estarão presentes na cavidade oral A dentição permanente ou definitiva inicia-se entre os 5 e os 7 anos e poderá constituir-se de 32 dentes, caso erupcionem os terceiros molares (sisos), o que nem sempre ocorre. A erupção mais precoce ou tardia não está necessariamente relacionada com patologia; no entanto, caso a criança não apresente qualquer dente após completar 1 ano de vida, deverá ser observada na consulta de Medicina Dentária.
Sim. Devido a alterações hormonais a gengiva pode doer e sangrar facilmente, a situação agrava-se se não existirem cuidados adequados de higiene oral.
É uma doença que afecta quase 90 por cento da população. É provocada pela acção de determinadas bactérias que podem originar a destruição parcial ou total do dente.
A presença dessas bactérias na boca, associada a uma alimentação inadequada e a uma higiene oral deficiente, facilita o aparecimento de cáries. Em situações extremas, a cárie dentária pode originar infecções de extensão variável e que podem ter graves repercussões na saúde geral do indivíduo.
Os carcinomas da cavidade oral podem manifestar-se como uma mancha, de cor variável, geralmente branca ou avermelhada, uma massa mais ou menos endurecida ou uma úlcera que não cicatriza.
A maior parte das lesões são indolores na sua fase inicial, tornando-se progressivamente dolorosas.
São exemplo de sinais e sintomas: úlceras persistentes, áreas endurecidas, áreas de crescimento tecidular, lesões que não cicatrizam, mobilidade dentária, dor, parestesia (perdas de sensibilidade), disfagia (dificuldade em deglutir), lesões brancas e vermelhas, linfadenopatia (gânglios linfáticos aumentados).